Bolívia

Não tem saída para o mar, mas tem montanhas com neves eternas, lagos, reservas e parques naturais e um património cultural e histórico de fazer inveja. A Bolívia é, sem dúvida, um destino cheio de encantos, que vale a pena conhecer, até porque os motivos de visita são inesgotáveis. Localizada na América do Sul, o país junta no seu território a Cordilheira dos Andes, sendo o ponto mais alto o Nevado Sajama, a 6542 metros de altitude (no ocidente), onde se pode ver também o Salar de Uyuni, a maior planície de sal do mundo, terras baixas e férteis, parte da floresta da Amazónia e o Altiplano, onde se concentra a maior parte da população e onde se podem apreciar imensas lagoas de uma beleza rara, como a de Arenas, a Colorada, a Coruto, a Chojillas, a Coranto, a Hedionda, a Verde, a Salada e muitas outras.
Uma das principais atrações do país é o Lago Titicaca, na fronteira com o Peru. Com 8300 kms2, este é o lago comercialmente navegável mais alto do mundo e nele desaguam 25 rios. Além da biodiversidade que concentra, a beleza do lago passa também pelas 41 ilhas que o povoam e que fascinam os turistas. As Ilhas do Sol, da Lua, Huynhamarka, Pariti, Suriqui e Kalahuta são algumas das mais visitadas. Copacabana é a cidade mais próxima do lago, de onde partem os barcos para a Ilha do Sol. O Morro do Calvário e a Igreja de Nossa Senhora de Copacabana fazem deste um importante local de peregrinação e visita de milhares de turistas.
Também próximo do lago encontra-se um importante sítio arqueológico, Tiwanaku, classificado pela UNESCO. A localidade foi o centro moral e cosmológico e ainda hoje recebe peregrinações. Os elementos em cerâmica - templos, pátios, estelas - dão um ar único ao local.
É também na Bolívia que encontramos uma das áreas com maior biodiversidade do mundo, o Parque Nacional Noel Kempff Mercado, com mais de 15 mil kms2. Além deste, são muitos mais os parques e reservas naturais do país. A título de exemplo podemos referir os de Cerro de Mirikiri, Cerro de Sajama, Tunari, Isiboro-Secura ou o de Lagoas de Beni e Pando. A fauna e flora do país são de uma riqueza que não causa dúvidas, mas também o património cultural tem que se lhe diga e são muitos os locais onde os turistas o podem apreciar.
Potosí, uma antiga cidade por onde passaram os Inca e que foi importante pela extração da prata, mantendo um património arquitetónico único, patente, por exemplo, na Catedral Gótica, na Casa da Moeda ou na Universidade Tomás Frias, e Sucre, ?a cidade branca das Américas?, com uma arquitetura fantástica e vários mercados, são duas cidades impressionantes e consideradas Património Mundial da UNESCO. Sucre é, aliás, a capital constitucional da Bolívia, e conhecida por ter quatro nomes ? Charcas, La Plata, Chuquisaca e, finamente, Sucre. A cidade, um importante pólo académico, está repleta de monumentos interessantes, além de ter uma vida noturna bem animada. Realce-se ainda que, semanalmente, há uma feira de povos Incas nas imediações desta cidade.
Também Património Mundial é o Forte de Samaipata, um sítio imperdível, local de rituais indígenas e uma das maiores construções monolíticas do mundo, e ainda as Missões Jesuítas de Chiquitos, seis cidades com seis igrejas jesuítas, localizadas na fronteira com o Brasil.
Do passado para o presente, visitemos La Paz, a capital do país, independente desde 1825. A cidade é rica em tudo, em templos, em igrejas, em museus, em mercados e em espaços verdes. Cercada de montanhas brancas, La Paz tem como atrativos imensos locais, dos quais se destacam a Praça Murillo, a Igreja de Santo Domingo, os Templos de São Pedro, de Mercê e de Recoleta, os Museus de Etnografia e Folclore, o de História Natural, o de Metais Preciosos, a Casa de Murillo e os Mercados Negro, Lanza, o das Flores ou o de Sobrancelha.
Nos arredores da capital, não faltam locais que obrigam a uma paragem: os desfiladeiros do Vale da Lua, o vulcão já extinto Mó do Diabo, os rios e galerias de Canudo de Huaricuna, o balneário de Urmiri ou a espetacular paisagem de Vale do Zongo. Para conhecer a cultura das gentes da Bolívia nada como parar em alguns povoados famosos, como Laja, Tambilho ou Tichuanaco. Há também edifícios que revelam muito das influências culturais do país, como o edifício Kantaita, a pirâmide de Akapana, o Templo de kalasasaya ou o Palácio de Putuni, antigo palácio dos sarcófagos.
A Noroeste de La Paz encontramos a terra dos Yungas, com vales profundos, caminhos interessantes, como o de Takesi e o de Choro e bairros característicos como o de Vila de Fátima, Coroico ou Samanta Pampa. É também nesta região que se situa Sorata, local por onde se pode aceder à bela Gruta de São Pedro. Falar na região dos Yungas é falar também da antiga estrada da morte, conhecida com uma das mais perigosas do mundo, sem proteções e construída junto de enormes precipícios.
Oruro, a Sul do Altiplano, é mais uma cidade importante na Bolívia. De entre as muitas atrações que oferece destaque para os museus, as diversas igrejas, as pinturas rupestres de Cala Cala, a ilha Panza, no Lago Poopó ou a Lagoa Vermelha. Realce-se ainda o Carnaval de Oruro, uma das maiores festividades do país, considerada Património Cultural da UNESCO. Catedrais, museus, as ruínas Inca de Rakai são as principais atrações de outra zona que merece uma visita, Cochabamba. Em Santa Cruz, destaque para as dunas de O Palmar e para o Santuário da Virgem de Cotoca.
Da História muitos vestígios, da cultura inúmeras manifestações, da Natureza um pouco de tudo ? animais, plantas, lagoas, altas montanhas, planícies áridas, florestas tropicais e lagos magníficos. Não restam dúvidas de que a Bolívia foi um país bafejado pela sorte, a mesma de quem tiver a oportunidade de conhecer este território imensamente rico.

Ver filme-1, filme-2, filme-3, filme-4.

QRCode: Bolívia



Área: 1.098.581 km²

População: 10.426.160

Capital: Sucre (309.878) e La Paz (802.896)

Per capita (US$): 4.451

Língua: Espanhol, Quíchua, Aimará e Guarani

Religião: Cristianismo