Sudão do Sul

Ainda a viver os efeitos daquela que foi a mais longa guerra civil do continente africano (a II Guerra Civil Sudanesa), o Sudão do Sul (2011) é um país desorganizado, com carências visíveis a todos os níveis. A pobreza abunda, as infraestruturas continuam por construir, as taxas de mortalidade são muito elevadas, os níveis de analfabetismo dos mais altos do mundo e a insegurança permanece em qualquer ponto do país. Localizado no nordeste de África, o também chamado "Novo Sudão" vive uma enorme crise humanitária, sendo ainda palco de conflitos e acções das milícias. Daí que não seja estranho ver vários acampamentos de refugiados e diversos aviões e carros das Nações Unidas e de Organizações Não Governamentais.

Apesar da ajuda exterior, não é fácil viver ou visitar este país. São poucos os transportes e as estradas pavimentadas escasseiam. Em contraste, as pessoas são afáveis, hospitaleiras e disponíveis para mostrar os seus costumes e tradições. Juba é a capital, embora exista um plano para transferir a capital para Ramciel. A ponte sobre o Nilo Branco, a Catedral de Santa Teresa, a Catedral de Todos os Santos, a Mesquita ou a Igreja de São José são alguns pontos de interesse nesta cidade, outrora um importante porto fluvial mas que, atualmente está inutilizado em consequência da guerra civil. É ainda na capital do país que estão a maior parte dos acampamentos base das organizações humanitárias. Malakal é a segunda maior cidade e situa-se no Norte do país. Wau é o terceiro maior aglomerado urbano, sendo aquele que cultural, social e linguisticamente é mais diverso. Em Lasu, pode visitar-se a designada "last frontier", a última aldeia na fronteira com a República Democrática do Congo. Em Ganji, podem apreciar-se as típicas casas de madeira dos sudaneses do sul. Ainda que uma visita ao país seja difícil e parca de condições de conforto ou excursões, é possível visitar alguma da biodiversidade desta região de África. Os Parques Nacionais de Nimule, de Boma e o de Bandingilo, que acolhe a segunda maior migração de espécies do mundo (a seguir à do Serengeti), são os locais apropriados para quem quiser estar no meio da selva, rodeado de todas as espécies animais que habitam o continente negro.

Muitos países desaconselham as viagens ao Sudão do Sul. O clima tenso continua a estar no ar e não se adivinham melhorias significativas para breve. Apesar dos investimentos para reconstrução de infraestruturas e da construção de mais oleodutos para transporte do petróleo, o Sudão do Sul continua a ser um território marcado pela guerra e pela falta das condições mais básicas de vida.

QRCode: Sudão do Sul



Área: 644.329 km²

População: 11.090.000

Capital: Juba (300.000)

Per capita (US$): 1.044

Língua: Inglês

Religião: Cristianismo e Animismo