Zâmbia

Zâmbia ? Podíamos chamá-lo de país das cataratas. A Zâmbia, país da África Austral, independente desde 1964, é a casa daquelas que são consideradas por muitos como as mais belas quedas de água do mundo, as Cataratas Vitória. O espetáculo proporcionado pela água que cai vertiginosamente chama anulamente à Zâmbia milhares de turistas. Localizadas no Rio Zambeze, as cataratas estendem-se por pouco mais que um quilómetro e meio e atingem a altura máxima de 128 metros. O explorador Livingstone foi o primeiro a vê-las em 1855 e deu-lhes o nome de Vitória em honra da rainha do Reino Unido.
Além da beleza das quedas de água, o parque as envolve também se reveste de uma riqueza singular. O Parque Mosi-ao-Tunya e as Cataratas Vitória são Património da Humanidade desde 1989 e, indubitavelmente, um lugar imperdível no continente africano. Mas o território zambiano não conta apenas com este ?Fumo que troveja? (expressão atribuida ao barulho intenso da água a cair). Também com águas do Zambeze se fazem as cataratas de Ngonye, perto da localidade de Sioma. Já no Lago Tanganica podem encontrar-se as segundas quedas de água mais altas de África, as Cataratas Kalambo, cuja altitude máxima é de 212 metros.
A par das cataratas, há que destacar a imensidão de parques naturais, onde os safaris são uma atividade diária e de eleição dos turistas. O Parque Nacional Kafue, o maior do país, o Parque Natural do Zambeze, o Parque Nacional Luangwa ou o Parque Nacional Sumbu, nas margens do Tanganica e onde se podem encontrar praias, baías, rochedos e vales são alguns exemplos de parques onde a Natureza pode ser admirada em todo o seu esplendor.
Com tanta riqueza natural, o turismo tinha mesmo que ser uma das atividades principais do país. Além dele, a extração de minérios é uma atividade também a destacar, nomeadamente a extração de cobre, produto que totaliza 90% das exportações do país. Ainda que não esteja imune a alguns dos problemas que atingem grande parte dos países africanos, a Zâmbia tenta progredir e crescer. Um bom exemplo desse esforço pode notar-se na capital, Lusaka.
A maior cidade da Zâmbia, que era já capital da antiga Rodésia do Norte, tem crescido a olhos vistos e adivinhase-lhe um futuro promissor. O Museu Nacional, o Parque de Répteis Kalimba ou o Mercado de Soweto são alguns dos pontos turísticos da cidade, onde, em 1974, foram assinados os acordos que levaram Portugal a aceitar a autodeterminação de Moçambique. Mais a Sul, outra cidade importante é Livingstone, situada a escassos 7 kms das Cataratas Vitória. Aqui interessa visitar o Museu Livingstone, onde se podem ver objetos do explorador e o Museu Ferrocarril, recheado de antigas locomotivas. Num percurso até às cataratas encontra-se ainda a vila cultural de Manamba, onde se podem apreciar danças africanas e conhecer um pouco mais da cultura do país. As pequenas povoações dispersas pelo país são uma boa forma de ver de perto como vivem os habitantes da Zâmbia, país que junta incrivelmente pessoas de 70 etnias diferentes.

QRCode: Zâmbia



Área: 752.618 km²

População: 11.668.000

Capital: Lusaka (1.267.440)

Per capita (US$): 1.000

Língua: Inglês

Religião: Cristianismo