Singapura

Singapura, a ?Cidade do Leão? (1965) é um país, uma cidade, uma ilha, tudo tão pequeno que se torna uma imensa mescla. Com uma área muito reduzida (trata-se do menor país do Sudeste Asiático) é um importante pólo financeiro, industrial e comercial à escala mundial, sendo considerado um dos quatro tigres asiáticos. Em alguns anos, o país conseguiu tornar-se no quinto estado mais rico, em termos de PIB per capita, uma região cosmopolita e com vários motivos de interesse.
Aqui existe uma grande variedade cultural influenciada pelos diversos países colonizadores: portugueses, holandeses, ingleses, malaios, japoneses e chineses. De entre os inúmeros bairros de Singapura, destaca-se o de Chinatown, pela sua boa localização, acessibilidade, grande variedade de restaurantes e lojas e também pela profusão de raças e templos. O Templo do dente de Buda é um dos mais conhecidos. Tem uma arquitetura interessante e, no interior, um jogo de luzes fascinante. Outro templo incontornável em Chinatown é o Sri Mariamman Temple, o mais antigo templo hindu, repleto de esculturas, com inúmeros santuários e um dos monumentos centrais do ?festival das luzes?. Sago Street ou Trengganu Street são mais duas ruas nesta zona animada de Singapura.
Neste país existem os maiores e melhores centros comerciais do mundo, onde se pode comprar desde uma simples caneta a um barco. Além das compras, a legalização do jogo por parte do Governo trouxe ao microestado milhões de turistas. A construção de casinos, nomeadamente em Marina Sul e em Sentosa fez disparar o número de entradas de estrangeiros no país. A potenciar ainda mais a atividade turística estão os muitos festivais que os diferentes povos organizam anualmente. Embora não haja uma cultura típica de Singapura, fruto da miscelânea de povos, tradições e credos, são muitas as celebrações que têm o país como cenário, desde o festival das joias ao da comida, ao Hari Raya Haji ou o Deepavali, um festival religioso hindu, também conhecido por ?festival das luzes?.
O crescimento desenfreado e a construção de prédios puseram em risco algumas zonas verdes do pequeno país que conta ainda, contudo, com cerca de 23% do território coberto de florestas, o belo Jardim Botânico, que merece uma visita, e a Reserva Natural de Bukit Timah, onde se podem apreciar vários exemplares de plantas e animais. O mesmo pode ser feito na ilha resort de Sentosa, por onde passam todos os anos 5 milhões de turistas. Além da Tiger Sky Tower, com 110 metros de altura, a ilha oferece aos visitantes o Parque das Borboletas e o Reino dos Insetos, o oceanário Mundo Subaquático e a Lagoa dos Golfinhos. Além da beleza natural, que inclui três praias, Palawan, Siloso e Tanjong, a ilha conta com um forte e vários equipamentos de apoio ao turismo.
Voltando à cidade de Singapura, não pode escapar uma visita à Rua Árabe, onde a Mesquita do Sultão é o local mais visitado, a par da Hajil Lane, uma rua repleta de lojas de dois andares, onde os tecidos são o produto em destaque. Da Rua Árabe para a Pequena Índia, uma zona cheia de música, aromas fortes e muita cor. Neste local dominam os templos, a imagem de Buda, uma outra de Gandhi e ainda a esfinge de Ganesh. Em Jurong, merece visita o parque mitológico chinês.
Imperdível a qualquer hora do dia ou da noite é o clássico passeio pelo Singapora River. Inicia-se na Marina Bay, junto ao famoso Merlion (onde está a estátua com corpo de sereia e cabeça de leão) e percorre tranquilamente diversos bairros, passando sob diversas pontes. Do topo da nova piscina suspensa do Marina Bay Sands Resort e da grande roda Singapore Flyer, temos uma vista urbana que nos confirma mais uma vez: Vale a pena conhecer Singapura.

Ver post, fotos e livro.

QRCode: Singapura



Área: 710 km²

População: 5.000.000

Capital: Área Central de Singapura ()

Per capita (US$): 51.142

Língua: Inglês, Malaio, Mandarim e Tamil

Religião: Budismo e Cristanismo